Movimentos sociais, imprensa e democracia

marcha_vadias010

Moro em Brasília desde 2004 – e posso dizer que essa cidade mudou a minha percepção política. De esquerda acho que sempre fui, mas não, eu não tinha a menor noção da quantidade de marchas e manifestos que correm quase que semanalmente na Esplanada dos Ministérios. Às vezes nem morando aqui a pessoa se dá conta disso, da efervescência que é a Esplanada e todos os manifestantes que por ali desfilam.

Além de ser jornalista, sou ativista: colaboro com movimentos feministas, LGBTs, causas indígenas e entre outros. Considero isso um dado importante da minha vida pois é “fazendo” o movimento que aprendo coisas que o jornalismo não ensina.

O tempo dos protestos, por exemplo. Nem sempre a imprensa explica para os leitores como é que nasce um protesto: como é que as pessoas se juntam, trocam ideias, se engajam, traçam uma estratégia, escolhem uma data para um protesto acontecer. É uma pena! Teríamos uma democracia mais fortalecida se a imprensa estivesse habituada a mostrar sistematicamente como os movimentos se formam, como as pessoas se engajam na política.

A formação dos movimentos é outro exemplo. A imprensa tem o hábito de procurar o líder dos movimentos – e ultimamente tem aparecido muito movimento horizontal, sem líder, autogestionado, sem grana de terceiros ou partido político para dar suporte. Isso poderia ser melhor abordado pela imprensa, mas por uma série de razões isso acaba ficando em segundo, terceiro plano. E isso poderia ser melhor explicitado pela imprensa – afinal, a forma de um grupo se organizar diz muito sobre as intenções políticas desse grupo.

Em resumo: a minha vida de ativista me faz ver a imprensa com outros olhos.

A imprensa colabora para a democracia quando retrata manifestantes como tais, ou seja, cidadãos descontentes com algum aspecto de sua vida social e política. Toda vez que ela faz isso, está cumprindo com seu papel de informar e fortalecer a cidadania, independentemente das questões partidárias.

Por outro lado, a imprensa pode atuar criminalizando os movimentos sociais, retratando os manifestantes como um vândalos, oferecendo uma desculpa ideológica para justificar ações policiais junto à opinião pública. Sim, a imprensa tem lado! E nas manifestações do Movimento Passe Livre todos puderam constatar a mudança de lado que ocorreu na imprensa – no começo houve uma demonização dos manifestantes, editoriais raivosos, jornalistas chamando ativistas de baderneiros. Depois o tom do discurso ficou mais ameno.

O que me interessa aqui é constatar que houve essa mudança, que o discurso da imprensa não é neutro, nem eterno. Existe lado, a imprensa pode ser questionada pelas pessoas e pode mudar de ideia, a depender da conjuntura política. Criticar a imprensa não é censura! Criticar a imprensa é um exercício democrático.

Por isso, se você está começando a querer se manifestar nas ruas agora, fica a dica: leia, se informe, se organize, conheça pessoas e instituições que tenham algum tipo de afinidade com você. Isso leva tempo! Não é da noite para o dia que se consegue mudar um país. Acredite! Muita gente tem tentado mudar as coisas, e as coisas mudam sim. Devagar e sempre, a imprensa noticiando ou não.

É importante se reunir e dialogar com as pessoas. Vá para rua sabendo que nem sempre suas reivindicações serão atendidas como num passe de mágica (raramente governantes atendem reivindicações de imediato). Vá para a rua sabendo que nem sempre a polícia vai te tratar bem. Vá para a rua sabendo que a imprensa tem lado – ela pode ouvir suas reivindicações com mais ou menos simpatia. Vá para a rua sabendo que tem gente que ocupa as ruas há mais tempo que você – converse com essas pessoas. Mesmo que elas tenham opiniões diferentes das suas, lembre-se que vocês têm uma coisa em comum: estão ocupando as ruas de um país democrático.

*Esse texto é um compartilhamento de experiências bem pessoais e está aberto a pitacos alheios (desde que educados, ok?). E faz parte da blogagem coletiva pela democracia –>

Mês da mulher

Neste mês de março quero registrar algumas coisas sobre a temática da mulher. A primeira delas é que estou lendo um livro fantástico da Ivone Gebara: “Vulnerabilidade, justiça e feminismos“. É uma coletânea de textos com a qual estou me identificando plenamente e que eu só sinto por não ter tido acesso antes. É motivo de felicidade saber que temos uma teóloga feminista tão fantástica entre nós! Um trecho sobre o que ela fala sobre o pluralismo:

Hoje, por isso e por outras razões, estamos sem referências unificadoras ou referências capazes de fazer uma unidade mínima para uma convivência mais ou menos decente entre os diferentes grupos e pessoas. É esta a questão central do pluralismo. Hoje tomamos consciência, mais uma vez e de forma crítica, de que somos plurais e de que nesse pluralismo estaria a razão de nossas discórdias, mesmo se concordamos que esse pluralismo é igualmente a razão de nossa riqueza. Descobrimos que nos falta uma ética comum que possa nos ajudar a renegociar nossa convivência, que nos falta um modus vivendi mais respeitoso de nossos direitos e aspirações. Falta-nos redescobrir caminhos de convivência com o “próximo” e redescobri-lo na sua integridade e originalidade.

Em segundo lugar, gostaria de registrar que publiquei no portal Blogueiras Feministas uma entrevista com a Olívia Muniz Wanderley, uma indígena Pataxó Hãhãhãe que está denunciando ameaças de estupro na comunidade dela que fica no sul da Bahia. É muito triste que situações como essa ainda aconteçam em regiões de conflito em nosso país. Mais lamentável ainda saber que há uma pendência legal rolando há 20, 30 anos (já nem sei contar mais…) e que talvez os senhores juízes e demais autoridades pouco se impotem com as conseqüências da lentidão desse processo.

Em terceiro lugar gostaria de registrar que é muito difícil falar sobre o dia internacional da mulher (que já passou, foi no dia 8 de março, eu sei…;-P) porque há sim, muita coisa pra comemorar: o fato de eu estar aqui escrevendo foi uma conquista de mulheres muito guerreiras que vieram antes de mim (é sempre bom lembrar que se hoje nós mulheres temos algum resquício de eqüidade ela não caiu do céu, como querem algumas pessoas), o voto da mulher, a mulher presidenta e talz tudo isso é ótimo. Mas aqui no Brasil ainda estamos sendo mal remuneradas (mulheres nas mesmas funções de homens estão recebendo salário inferior), violentadas (mês passado os jornais registraram estupro coletivo, nete mês o caso escandoloso da vez foi o estupro de uma senhora de 72 anos) e sofrendo uma série de preconceitos que só fazem piorar uma situação que já é delicada.

Cada vez mais tendo a acreditar que nós precisamos de uma revolução no campo das ideias: é preciso uma educação que possa desconstruir o machismo que ainda permeia nossas relações. É preciso que exista uma educação para que as pessoas possam repensar suas atitudes, sua própria cultura, seus valores. É preciso discutir piadas sexistas, livros sexistas, programas de televião sexistas, publicidades sexistas e todas as expressões que sustentam o machismo, esse monstro que não escolhe raça, cor, credo, sexo (sim, existem mulheres machistas, infelizmente) situação financeira ou intelctual, e que leva a mulher a uma situação de inferioridade na esfera pública e privada.

Mas tudo isso são palpites. Posso mudar de ideia.

A vergonha é de quem comete o estupro!

Isabela e Michele

Isabela Pajussara Frazão Monteiro (27 anos) e Michele Domingues da Silva (29 anos) foram estupradas e mortas num crime terrivelmente bárbaro (não consigo classificar de outra forma): foram vítimas de um estupro coletivo oferecido como presente de aniversário de um irmão para o outro. Os dois irmãos que organizaram o evento teriam simulado um assalto, com a ajuda de outros homens, para violentar as mulheres convidadas, usando capuzes e máscaras de carnaval. Seis mulheres foram agredidas e estupradas.

A notícia me deixou muito angustiada. Na verdade, no momento em que eu li a notícia eu não consegui pensar em nada – só me deu vontade de vomitar. Passado o choque inicial, a notícia chamou a minha atenção pelos seguintes fatores:

1. Os estupradores eram “amigos” das vítimas – o que desmitifica aquela história de que só maníacos desconhecidos atacam mulheres nas ruas, num beco, num local de pouca circulação

2. Os estupradores planejaram o estupro, ou seja: vários homens premeditaram o ato. Cai por terra aquela velha desculpa
esfarrapada de que homem só comete estupro porque não consegue conter um impulso sexual “provocado” por alguma atitude/comportamento da vítima.

3. O fato de um “estupro” ser percebido não por um, mas por vários homens, como um “presente” de aniversário – em algum lugar da nossa cultura machista mora a ideia de que o “estupro” é uma espécie de brincadeira, uma contravenção, é como jogar ovo e farinha num aniversariante, é banalizado e entendido como uma atitude bem humorada.

4. A imprensa fez uma cobertura muito fraca sobre o caso, o que me espanta pois é uma história de alto interesse jornalístico para se debater políticas públicas de proteção às mulheres. É o momento ideal para que jornalistas pudessem entrevistar mulheres, sociólogxs, criminalistas, psicólogxs e, enfim, tirar o tema do sensacionalismo lugar-comum e propor ações coletiva de enfrentamento à essa violência tão cruel contra a mulher que é o estupro.

Um passeio pelos portais de notícias brasileiros nos dá a ideia de como as pessoas entendem o estupro: há uma parcela da sociedade que clama simplesmente pela pena de morte para os estupradores – mesmo sabendo que não existe pena de morte na nossa legislação. Há outra parcela que insiste em colocar a culpa na própria mulher, ora questionando as companhias que ela escolhe, ora questionando o tamanho da saia, o tipo da roupa, o local que ela frequenta, etc. Poucos ousam sair desses extremos – poucos procuram entender melhor o problema, saber mais sobre o assunto para melhor lidarem com ele.

Há uma ignorância coletiva que em nada contribui para a transformação da realidade. Afinal, o que podemos fazer para evitar os estupros? Como criar uma sociedade em que homens respeitem as mulheres?

Como evitar?
Não, eu não tenho todas as respostas e acredito que ninguém sozinho as tenha. Também não posso me dar ao luxo de testemunhar esse problema e me esconder nas cavernas. Tenho alguns palpites que gostaria de compartilhar.

Por ter ouvido e lido muitas histórias de mulheres que sofreram abusos sexuais, sei que há um fator de fragilidade que atinge a todas nós, mulheres: é a vergonha. Mesmo para uma mulher madura ciente de seus direitos denunciar um estupro é um ato de coragem, na nossa cultura. O grande número de mensagens nas caixas de comentários dos portais de notícias culpabilizando a mulher pela violência que ela sofreu são indícios de que infelizmente há uma corrente forte de pessoas que compactuam com esse comportamento machista.

Por isso, se eu fosse iniciar qualquer campanha nas escolas, nas igrejas, nos bares, nos teatros, na televisão, nos programas de humor, eu diria o seguinte: a vergonha é toda deles, que cometem o estupro! Cometer estupro é um ato que deveria envergonhar todos os homens, toda a humanidade. Cometer estupro é um ato extremamente covarde e assim deve ser repudiado.

A gente precisa começar a inverter essa lógica da nossa cultura que culpabiliza mulheres pelos estupros que sofrem. A mulher não tem culpa de ser mulher, de ser mulher e andar na rua, de ser mulher  e usar saia curta, de ser mulher e participar de uma festa! Homem que estupra é que é responsável por cometer estupro, ele é que precisa abrir mão do comportamento violento dele. A mulher não deve abrir mão de ser livre!

Essa é a minha pequena contribuição para a blogagem coletiva em repúdio ao caso de estupro e assassinato como presente de aniversário. Espero poder ler mais gente falado sobre o tema bem como participar de ações que possam reduzir ou quem sabe erradicar o problema do estupro em nossa sociedade.

Nem filmando

Neste final de semana nós fomos brindados com um caso suspeitíssimo de machismo que foi filmado e divulgado pela TV paga em tempo real, e a reação de incredulidade das pessoas “de bom senso” foi a de sempre: “não houve abuso, não houve nada de concreto”, “não dá pra concluir nada das imagens”. Isso quando não fomos obrigados a ouvir as pérolas dos machistas de plantão: “Estava bêbada, logo pediu por isso”. No domingo a Globo não demonstrou o menor interesse em pedir investigação policial pra apurar o suposto que crime que teria acontecido no programa. Nada. Nadinha de apuração. Estava todo mundo se ajeitando pra botar panos quentes e seguir com o “espetáculo” .

Uma simples apuração, gente. Por que é tão difícil defender a apuração de denúncias mesmo quando a denúncia é baseada em imagens fortíssimas que foram veiculadas ao vivo pela televisão, para milhares de testemunhas? Por que as pessoas de bom senso de plantão não se dignaram a pedir pelo menos a apuração do ocorrido? E se a produção do BBB combinou com os participantes essa vergonhosa cena de violência, que mundo é esse que alavanca ibope com um assunto tão delicado e de forma tão grotesca?

Se nem filmando o machismo a gente consegue combatê-lo, o que fazer para sensibilizar as autoridades?

Pronto, desabafei.

Acabo de ler que a Globo expulsou o participante do programa, sem dar muitas explicações. Espero que exista uma investigação policial adequada sobre o caso e que, se comprovado o crime, que o agressor seja punido de acordo com as leis desse país.

Veja aqui um resumo feminista dessa polêmica que rolou no BBB
.

Rosângela Santos: atleta, negra, medalhista e… patinho feio (?!?)

Rosângela Santos
Rosângela Santos

Neste ano, o portal UOL colocou na sua home page a foto da atleta negra Rosângela Santos que conquistou medalha de ouro nos Jogos Panamericanos de Guadalajara.  O texto da legenda era “Pan: patinhos feios salvam Brasil com ouros inesperados”, e um link para a reportagem: Patinhos feios salvam o dia do Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. A legenda da foto causou indignação entre os internautas – até hoje os comentários estão disponíveis, questionando inclusive o motivo do portal ter mudado a chamada da matéria repentinamente, sem dar explicações aos leitores.

Acredito que o preconceito não foi intencional – a matéria oferece indícios suficientes para entendermos outros sentidos para o texto da chamada. No entanto, a chamada infeliz foi suficiente para atingir os leitores, que estão a cada dia mais atentos aos sinais de racismo que possam aparecer, mesmo que involuntariamente, nos textos jornalísticos.

Esse episódio nos faz pensar sobre algumas coisas: primeiro, como a imprensa retrata as mulheres negras na mídia – será que Rosângela Santos não merecia uma notícia mais bem escrita para guardar de recordação sobre sua carreira? Fiquei imaginando a atleta, depois de conquistar uma medalha de ouro e talvez o melhor tempo de sua vida, ainda ter a sua história contada sob a perspectiva negativa, de um patinho feio. É com essa disposição que a gente conta a história dessas mulheres? Da onde vem essa má vontade? Para a nossa sorte, os jornalistas hoje podem contar com cursos sobre gênero, raça e etnia, ou seja, existem alternativas para quem quer se aperfeiçoar e errar menos.

Em segundo lugar,  nos faz pensar em como a internet está conseguindo causar mudanças antes nunca imaginadas. Os leitores reclamaram na caixa de comentários da matéria e rapidamente os editores do UOL tiveram que modificar a chamada. Nos velhos tempos de jornal impresso, nunca saberíamos quantos leitores reclamariam de um texto com índicios racistas e se os jornalistas estariam dispostos a mudar de atitude diante dessa reivindicação.

A blogueira Lola Aronovich escreveu um artigo mais aprofundado falando sobre esse racismo velado, que vem disfarçado de “feio”. Destaco esse trecho aqui:  “Poucas pessoas assumem que foram e continuam sendo condicionadas a achar que o belo é ter olho claro, cabelo liso e de preferência loiro, traços “finos”, e pele branca com um pouco de bronzeado. A galera que acha sexy os lábios carnudos da Angelina Jolie parece achar horríveis os lábios carnudos de tantos negros. Mas essa gente nunca assume seu racismo. Diz apenas que é uma total coincidência não gostar de negros”.

Dia 20 de novembro é o Dia da Consciência Negra – é dia de pensar no racismo que está escondido dentro de nós, no nosso inconsciente, e que precisa ser desconstruído cotidianamente. Aproveito para parabenizar a nossa atleta Rosângela Santos, que merece uma brilhante comemoração pelo excelente resultado conquistado nos Jogos Panamericanos de Guadalajara. Rosângela, nós temos muito orgulho de você!

* Esse texto faz parte da blogagem coletiva do portal www.blogueirasfeministas.com – leia também os outros posts que também participaram dessa chamada

Quem tem medo do feminismo?

Selo Desmitificando o feminismo

Eu mesma nunca fui capaz de saber exatamente o que o feminismo é: apenas sei que as pessoas me chamam de feminista toda vez que expresso sentimentos que me diferenciam de um capacho de porta. Rebecca West, Escritora inglesa, 1892 – 1983

É esperado que os machistas de plantão rejeitem o feminismo. Sim, machistas, no geral homens, têm medo do feminismo, têm medo que uma mulher se torne, aos seus olhos, seres humanos! Machistas têm medo de lavar uma louça, medo de chorar em público, medo de usar uma camisa da cor rosa, medo de ganhar o mesmo salário que a mulher, medo de olhar uma gostosa na rua e não conseguir se comportar como uma pessoa civilizada (sem agressão). Medo de ouvir um não de uma mulher e ter que lidar com essa rejeição.

As mulheres machistas, por outro lado, têm medo da liberdade que o feminismo traz. Sobretudo a liberdade de serem elas mesmas, sem precisarem da aprovação prévia do olhar masculino/machista.  Pensam elas que, se elas não seguirem as regras machistas dos homens, nunca serão amadas por eles. Uma mulher machista no fundo, no fundo, é uma mulher insegura, que coloca as necessidades dos seu parceiro acima das necessidades próprias. A mulher machista quer saber primeiro o que querem os homens (e os outros), para primeiro se adequar a essas vontades e só depois saber o que se passa dentro dela mesma.

Humanismo

Que os machistas tenham medo do feminismo é compreensível. Mas o que me deixa realmente intrigada de queixo caído e olho arregalado é como é que essa palavra – feminismo – vem sendo tão atacada e difamada a ponto de humanistas (!) a rejeitarem. Vejo pessoas bacanas, de bom senso e cheias de feminismos nas atitudes, dizerem até com certo orgulho nos olhos:

 Eu não sou feminista! Sou humanista.

Fico realmente chateada quando escuto essa pérola. Porque mesmo sem querer tenho a impressão de que o interlocutor está me dizendo que o feminismo é desumano. Ou, se não é desumano, é uma luta menor pois já existe o humanismo, que já dá conta da humanidade. Será?

Mas depois eu respiro fundo e penso: ih, deve ser culpa daquele povo que distorce o feminismo – daí começam a dizer que feminista não pinta unha, que feminista não casa, que feminista mata criancinha, que feminista obriga a mulher a trabalhar fora de casa, que feminista quer competir com os homens e dominá-los. Enfim, qualquer generalização sensacionalista sobre mulheres merece esse rótulo, feminismo. Injustamente!

Então, quando você ver alguém comentando sobre um bando de mulheres rindo num programa de tv porque um cara teve seu pênis decepado pela esposa, saiba que isso não é feminismo. Quando você ver alguém citando apenas Valerie Solanas como a única feminista verdadeira, saiba que isso não é feminismo. Quando você ver alguém repetindo que as feministas não aceitam que mulheres façam sexo em determinadas posições sexuais, saiba que isso não é feminismo.

Outra explicação para os humanistas não se acharem feministas pode ser a seguinte:  eles devem entender que as conquistas feministas como o voto feminino, o direito à licença maternidade, e entre outras com as quais normalmente as pessoas se identificam já são suficientes. Se esse é o caso, é preciso primeiro fazer uma justiça histórica: foi o movimento feminista (e não humanista) que batalhou por essas conquistas. E segundo, dizer que ainda estamos engantinhando no caminho da igualdade de direitos entre homens e mulheres: hoje é o movimento feminista que vem debatendo , denunciando e enfrentando questões como o tráfico de mulheres, a violência doméstica, o estupro, as práticas sexistas que naturalizam a violência contra a mulher, a igualdade de salários entre homens e mulheres que realizam o mesmo trabalho e outras lutas que os movimentos humanistas podem até apoiar, mas não lideram.

Atualização do dia 6 de agosto de 2011: leiam aqui uma carta de uma mulher explicando como os comportamentos machistas estão espalhados mesmo dentro de círculos humanistas/céticos, locais onde nós normalmente esperamos encontrar pessoas mais esclarecidas quanto ao feminismo – o relato é estarrecedor.

Feminilidade

Outra pérola que escuto é essa aqui:

Eu não sou feminista! Sou feminina.

Adotar uma postura feminista não tira a feminilidade de alguém. O que muda é que a gente começa sim a repensar a questão da feminilidade: somos femininas para nós ou somos femininas para suprir as expectativas dos outros? O feminismo devolve a feminilidade para as mãos das mulheres – ou seja, você quer pintar a unha? Se você gosta, pinte. Se você o faz porque do contrário você vai perder um emprego, aí é uma pressão social que seu colega homem não passa. Se você gosta de salto alto, ótimo, mas se te obrigarem a ter um problema no pé pela obrigação de usar sapatos com salto alto, aí é uma questão a ser discutida. Homem pode chorar em público? O feminismo também trabalha para que essa não seja uma regra compulsória para todos os homens, para que os homens possam chorar sossegados sem que isso seja tido como uma coisa de mulherzinha (e por que essa expressão é tão negativa?!). Portanto, aprendemos outra lição: não existe um feminismo, um líder a ser seguido. Existem feminismos, no plural, para o bem de todos, homens e mulheres.

E por ser um movimento plural, onde cabem muitas interpretações, é fácil você discordar de uma feminista em especial e achar que está discordando do movimento todo. Portanto se você encontrar uma feminista dizendo que mulher tem que tomar pílula pra suspender a menstruação pela vida inteira porque isso traz muitas vantagens, não se preocupe: é apenas UMA feminista. Você vai encontrar duas outras feministas dizendo justamente o oposto, que você possa menstruar em paz, porque o corpo é seu, a feminilidade é sua. O importante para o feminismo é discutir, debater, trazer a tona questões que estão rigidamente colocadas pela sociedade e que podem limitar a sua experiência como mulher (e até como homem) no mundo.

Se você chegou até aqui deve ter percebido que o feminismo é, em resumo, isso que a socióloga Bila Sorj falou por aí:

“Diferentemente dos demais movimentos políticos como o fascismo, o nacionalismo e o comunismo, o feminismo promoveu uma formidável mudança de comportamentos orientada para a promoção de mais liberdade e igualdade entre os sexos, sem aspirar à tomada do poder, sem utilizar a força e sem derramar uma gota de sangue”.

E o feminismo continua discutindo as liberdades das mulheres e transformando a sociedade até hoje.

Então, me diga: você ainda tem medo do feminismo?


Obs. Esse artigo faz parte da blogagem coletiva #mitosfeminismo – veja aqui outros posts que fazem parte desse movimento.

Recadinho pro Pondé

Querido Pondé,

Gostaria de lhe agradecer pelo seu poder de síntese claramente demonstrado em seu mais recente artigo. Graças a ele mulheres como eu podem responder de uma vez só a uma série de platitudes que vem sendo manifestadas de forma diluída por homens e mulheres dos mais diferentes perfis econômicos, sociais e culturais.

Pensar na mulher como objeto de prazer é uma ideia tão velha quanto a profissão mais velha do mundo. Sugerir  que há alguma filosofia superior nesse pensamento tão antigo e corriqueiro equivale a dizer que vivemos num  mundo repleto de filósofos. Por favor, não é que eu seja uma pessoa pessimista, mas convenhamos: faltam filósofos no mundo! Mas sobretudo faltam antropólogos: será que é tão difícil encarar a mulher como um ser humano dotado de vontades e desejos singulares?

Lamento lhe informar, caro Pondé, mas tratar mulher como objeto (de prazer) não é uma das formas mais profundas de amor que um homem pode sentir por uma mulher. Se realmente levarmos a sério essa sua teoria, chegaremos à conclusão de que as putas são as mulheres mais profundamente amadas do mundo, a julgar pela atividade que escolheram para ganhar a vida. Desconfio que elas, mesmo com a “profissão” que escolheram, também têm necessidades de serem amadas profundamente em toda a sua essência e plenitude, para além da questão de serem objetos de alguém.

Pondé, eu confesso que não entendi suas referências às pessoas que tomam banho depressa e aos ciclistas mal educados. O que elas têm em comum com as mulheres que você queria elogiar? Ah! Você descobriu que essa gente politicamente correta também é ser humano? Sim, pessoas politicamente corretas erram, não perdem sua humanidade por defenderem o que defendem. Se o prazer delas é abraçar o planeta, em que isso lhe incomoda? Em que abraçar o planeta lhe diminui?

Querido, o seu conceito de solidão está ultrapassado. Uma mulher sozinha, por exemplo, é muito mais feliz sozinha do que acompanhada pelo senhor – não se sinta ofendido, mas é que gosto não se discute, e eu realmente não curto o seu estilo. Se por acaso o senhor encontrar uma mulher sozinha na rua e supor que ela, coitada, tenha necessidade de ser seu objeto, pense bem antes de partir para a ação. Por que haja filosofia e advogado no  mundo pra te livrar do crime de estupro! Mulheres têm o direito de se recusarem a ser objetos de quaisquer homens. Mulheres têm todo o direito de andarem sozinhas pela vida, se assim elas desejarem. E têm esse direito de andarem sozinhas sem terem suas escolhas questionadas por articulistas que escrevem em jornais de grande circulação!

Saiba, meu querido, que homens não perdem a masculinidade por considerar mulheres como seres humanos. Mas perdem a humanidade quando insistem em reduzir mulheres a meros objetos. Casos de violência contra  mulheres acontecem justamente quando um homem tenta fazer com que uma mulher seja seu objeto. E essas mulheres sofrem duplamente: primeiro com as marcas da violência física e psicológica. Segundo, porque as violências mais sórdidas vêm embaladas num discurso bem construído de amor, fazendo com que as mulheres tenham dificuldade de romper com esse ciclo que chama de amor uma relação construída na desigualdade.

Por fim, saiba: o amor, meu bem, só é possível entre seres humanos. Homens e mulheres têm a capacidade de amar – para isso é preciso coragem. Coragem pra enfrentar qualquer tipo de rótulo social que venha tentar estabelecer uma hierarquia entre homens e mulheres. Coragem para que o nosso amor próprio seja maior do que a vergonha de denunciar casos de abuso. Coragem para amar sem reservas, sem medo do ridículo, sem medo de parecer demasiado humano.

Faço votos que um dia você possa amar de verdade uma mulher não para que ela se torne mais importante do que você, ou para que ela esteja acima de você: mas para que você receba as bençãos de quem se humaniza por dentro.

Abraços,

Uma mulher qualquer, que até poderia ser um homem.

*Também assinam esse recado:

Carlos Emilio
Marcos Faria
Paulo Rená
Srta. Bia