A Folha não sabe que houve uma ditadura no Brasil!

“O que me preocupa não são os gritos dos maus, é o silêncio dos bons” Martin Luther King

Está marcada para o próximo sábado, dia 7 de março, a partir das 10h, uma manifestação em frente ao prédio da Folha de São Paulo, na capital paulista, em resposta à petulância desse jornal em “tentar” dizer que a ditadura no Brasil foi branda, criando para isso o termo: “ditabranda”.

Escrevo “tentar” entre aspas porque existem brasileiros que têm coragem de se indignar e ir pra rua reivindicar RESPEITO às famílias das pessoas que morreram torturadas nos porões da ditadura.

Sim. A Folha escreveu que o Brasil teve uma “ditabranda” em um editorial intitulado “Limites a Chávez”, publicado no dia 17 de fevereiro como resposta à vitória do presidente venezuelano no referendo de 15/02 que lhe permitirá a reeleição ilimitada.

Pergunta que não quer calar: será que a Folha de São Paulo acha que torturar pessoas é algo brando, corriqueiro, tolerável?

Segunda pergunta: transformar nossa  ditadura em “branda” é o argumento mais forte da Folha de São Paulo pra desqualificar o regime de Chávez?!

Qualquer que seja o contexto, afirmar que no Brasil tivemos uma “ditabranda” é um absurdo sem tamanho. Como eu costumo acreditar nas pessoas (!), peço aqui pra vocês: avisem a Folha de que no Brasil houve uma ditadura sangrenta, com tortura, estupro e toda a sorte de covardias institucionalizadas.

Como escreveu Eduardo Guimarães em seu blog: “O importante é deixar claro que não se aceitará nunca mais silenciar ou aceitar revisões históricas sobre os anos de chumbo. Há que exigir respeito às vítimas da ditadura”.

Para conhecer o ato cívico que será realizado na frente do prédio da Folha (Barão de Limeira), acesse o blog Nas retinas e no Blog do Eduardo Guimarães, do Movimento dos Sem Mídia.

Anúncios