Jarbas Vasconcelos ri da nossa cara

Jarbas Vasconcelos e o Almanaque da Abril devem agora estar rindo muito da nossa cara. A entrevista que este senador do PMDB concedeu ao picadeiro da revista de maior circulação nacional caiu na boca de alguns colonistas como uma grande “bomba”. Bomba? Pra mim esses dois – Veja e Jarbas – estão é rindo muito de nossa cara.

Vejamos o que está publicado nas páginas amarelas da Veja, logo no início… Jarbas diz que “a maioria dos integrantes do seu partido (PMDB) só pensa em corrupção e que a eleição de José Sarney à presidência do Congresso é um retrocesso”.

Eu pergunto: quem nesse Brasilzão-de-meu-deus diria que Sarney na presidência do Congresso foi um avanço!? Foi o mico do ano! Qual a novidade disso? E outra, o que o Jarbas Vasconcelos está fazendo lá no antro da corrupção, o PMDB? Rezando por aquelas pobres almas corruptas? Por que não largou a merda dessa vida!? Por que não foi vender flores?

A cada linha da entrevista de Jarbas à Veja meu fígado reagia com uma pontada. Meu Deus, como pode um discurso soar tão cínico?

Vamos lá. Veja teve a pachorra de perguntar: Para que o PMDB quer cargos? Ao que o nobre senador respondeu: Para fazer negócios, ganhar comissões.

Ahn sim. Quer dizer que só o PMDB quer cargo pra fazer negócios e ganhar comissões? Quer dizer que nenhum partido ali quer o cargo pra isso? Nunca quis? É uma maldade única e exclusiva do PMDB? Quer dizer que nem petistas nem tucanos nunca quiseram ter cargo pra negociar?

Depois de tomar um grande gole de água, pra apaziguar o fígado, continuo a ler a entrevista, já incrédula entre o ar blazé com que ele se referia à popularidade do Lula no estado de Pernambuco. Depois, é claro, criticou o Bolsa Família. Até aqui normal, afinal, são opiniões de quem nunca foi ver o bolsa família de perto, nunca teve um parente ou conhecido precisando desse auxílio. Ou seja, acredito que nesse ponto ele foi absolutamente sincero.

O meu fígado voltou a sentir pontadas com a declaração de Jarbas de que hoje a classe política toda é medíocre. Governo e oposição.

Qual a novidade desse discurso? Você vai em qualquer boteco tem alguém falando exatamente isso, que político é tudo igual, não presta. E provavelmente alguém dizia isso até na época de Getúlio… Quiçá nos tempos de Jesus Cristo…

Depois veio aquele bom mocismo de dizer que a corrupção é o câncer da nossa política, que não vai acabar de uma hora pra outra e tudo o mais. Temos então mais uma pérola do discurso vazio. Aquela velha metralhadora giratória que joga a culpa pra galera, afinal a corrupção é dos outros. Como se jogar o barro na parede, indiscriminadamente, o livrasse de viver junto aos corruptos. Como se ele tivesse lá no meio, contrariado da vida, tendo que aturar os corruptos, como quem atura crianças malcriadas.

A cereja do bolo é o final da entrevista, quando a máscara cai: ele diz que não tem nenhuma vontade de disputar cargos. Em seguida, diz que vai se empenhar na candidatura do Serra.

Agora vem cá, depois de posar de desiludido com a política, de falar que nem governo nem oposição presta, ele chega ao fim de uma entrevista e se coloca abertamente a favor de Serra?!?!?!?! E o repórter da revista Veja publica, sem ao menos contestar?!?!?!

Afinal o Serra não é da oposição? O senador não caiu em contradição com o que disse nos primeiros parágrafos!?!

Veja e Jarbas Vasconcelos estão rindo da gente. Gargalhando. Vendendo revistas pra caramba. Amealhando votos de leitores incautos.

Mas eu sou parte daquela parte cética da platéia. Nós já somos pelo menos três: o Emerson Luis já publicou sua indignação sobre o assunto e o Nassif já descontrui a entrevista, com a clareza e precisão do jornalista sensível e experiente que ele é. Um dia eu chego lá, por enquanto vou escrevendo com o fígado mesmo…

E você? Que achou desse espetáculo todo? Lamentável, não?

Anúncios

Um comentário sobre “Jarbas Vasconcelos ri da nossa cara

  1. São 5h25 da madruga, acabou a energia em casa, tô com insônia. Ainda bem que a bateria do note tá carregada. Mas voltando ao assunto: sim, lamentável.

Os comentários estão desativados.